No tempo e no lugar de Deus

Como seres humanos que somos, estamos inseparavelmente submetidos às limitações do espaço e do tempo, por isso devemos considerá-lo quando vamos até a presença de Deus para cultuá-lo.

Hinos instrumentais

Voltando aos velhos hinos, eles também são um impressionante testemunho de uma outra época e de uma outra agenda teológica da qual nos referimos às vezes com certo ar de nostalgia ou de verdadeira saudade

Conhece-te a ti mesmo

Ao trazer este tema para o contexto da celebração cristã, Paulo estava dizendo compreender que embora a Ceia seja um momento gregário, daí ser comunhão e requerer comunidade, ela, como toda a celebração, adoração e culto público pressupõe que antes deve haver a experiência do quarto fechado. Assim, hoje, quando trago os elementos para a Mesa do Senhor na comunhão da igreja devo primeiramente já ter comungado como Pai que vê em secreto.

Cultuando com trajes santos

O tributo de adoração ao Senhor tem que ser revestido de caráter de santidade que aponte para a glória de Deus. Ou seja: Todo o nosso comportamento – inclusive a roupa que colocamos para vir adorar – deve fazer de nós verdadeiros adoradores e levar as pessoas que conosco estão a se voltarem ao próprio Cristo em glorificação.

O culto como anúncio

Se nós nos encontramos com Cristo no culto então a nossa celebração é também uma denúncia da separação entre Deus e seres humanos e também o anúncio de que Cristo já veio em resgate desta humanidade oferecendo-lhe solução para todos os seus problemas espirituais, psicológicos e sociais.

No serviço do meu Rei

Acordei cantarolando um velho hino. Faço isso com frequência. Começar o dia cantando velhas canções faz muito bem à alma. Além de estimular a memória. Guardo lembranças de antigos cânticos, do rico Cantor Cristão, de músicas que já se tornaram clássicas e de algumas outras que se foram agregando pelo caminho. Na maioria das vezes, elas compõem meu repertório matinal.

O culto como encontro com Cristo

Regularmente a Igreja de Cristo se reúne para celebrar e cultuar a Deus e isto é feito no meio da coletividade cristã. É na comunhão dos santos que este grupo se faz Igreja, e o faz reunido como um encontro sagrado: isto é o Culto – o encontro sagrado da igreja.

Promovendo Reforma na Igreja

Um blog que proclama a verdade das Escrituras Sagradas de maneira fiel. Propõe um retorno à teologia reformada sem o ranço das velhas tradições do passado. Tem por objetivo maior glorificar a Deus, e anunciar o eterno evangelho ao Brasil e ao mundo. Só Jesus salva!

Adoração e louvor: tendências

Temas como estes têm ocupado minha agenda pastoral e teológica e entendo que não há respostas definitivas para todas as questões. Mas tenho sugestões. E é isso que eu quero fazer: tentar apontar algumas tendências que me parecem claras no louvor e na adoração da igreja no Brasil hoje.

O culto como memorial

Os cristãos se reúnem, e fazem destas reuniões cultos. Cultos estes que podem ser caracterizados de várias formas, entre elas: o Culto como memorial. Deus nos criou com a capacidade de lembrar – logo isto também é divino – e no culto o fazemos de maneira litúrgica e sagrada.

Culto como celebração festiva

Entre as configurações do culto, talvez a mais conhecida e também a mais expressiva é caracterizar o Culto como celebração! Sempre que o povo de Deus se reúne, o faz para celebrar ao seu Deus. A celebração – ou comemoração – é uma das essências principais do culto cristão.