O dízimo, segundo a Bíblia Sagrada

O dízimo é realmente uma ordenança de Deus para a igreja? Poderia o dízimo ser comido pelo próprio dizimista? O devorador é mesmo um demônio? Há possibilidade de um cristão ser amaldiçoado por Deus por não dar dízimo em dinheiro em uma determinada denominação? Como a igreja primitiva lidava com isso? Se você quiser obter respostas amparadas nas Escrituras Sagradas, esse estudo é para você.

Conheça o Projeto Oferta Centuplicada Que tem Como Objetivo Aumentar o Numero de Mantenedores da Missionária Rede Boas Novas

Este projeto tem por objetivo ajudar a Rede Boas Novas, irmãos que estão com problemas financeiros e pode ajudar também a sua igreja. o projeto consiste em ajudar 7 pessoas financeiramente com uma quantia que embora seja pequena pode fazer a diferença na vida de quem está sem perspectiva nenhuma de emprego, de oportunidades afins. Peço que quem tem um coração solidário, acesse o site, leia todo o conteúdo e divulguem ao máximo de pessoas que puder, pois a Boas Novas Conta comigo e com você para chegar mais longe.

Disciplina Cristã – CONTRIBUIÇÃO

Na compreensão do amor de Deus em Cristo Jesus que o crente deve voluntariamente se comprometer em contribuir e sustentar a Casa do Tesouro de modo a que não falte nada para o Reino de Deus e sua consecução aqui na Terra.

‘Dízimo’ é mandamento para o Cristão?

Ser Hoje em dia ser dizimista (e fiel) é uma obrigação irrevogável na vida dos Cristãos de quase todo o mundo. Este breve artigo pretende demonstrar de modo introdutório, mas deixando espaço para uma ampliação do debate, como o dízimo NÃO é uma ordenação Bíblica para o povo do Novo Testamento e como a Igreja Primitiva NÃO era dizimista.

A calculadora de Deus e a calculadora dos homens

Numa de suas lições, Jesus usa como sala de aula o templo de Jerusalém. O momento escolhido por Jesus é o momento em que as pessoas estavam levando até o gazofilácio as suas contribuições…

Contribuindo com a igreja do diabo

Às vezes nós cristãos cultivamos um grave e terrível defeito: muitas vezes investimos na obra de Deus lentamente, levemente, pouco, quase nada de nossas energias, de nosso tempo e de nossas possibilidades financeiras. A obra de Deus acaba engatinhando bem devagar enquanto a obra do diabo anda veloz. Não que o diabo irá vencer, mas certamente colaboramos com a expansão das “igrejas do diabo”…