O cristão e a Lei Áurea: Entre a liberdade e a escravidão – Parte III – Jesus e a Lei – Nós, a igreja gentílica

(Continuação da parte II)

O cristão e a Lei Áurea: Entre a liberdade e a escravidão – Parte III – Jesus e a Lei – Nós, a igreja gentílica

Algumas outras coisas também precisam ser esclarecidas:

a) Jesus viveu no tempo da Lei – Jesus cumpriu a Lei porque viveu debaixo da Lei COMO JUDEU que era, tendo vindo a este mundo exatamente para cumpri-la, sendo este o propósito de sua existência. A efetiva manifestação da Graça não ocorreu no seu nascimento, mas sim na sua morte na cruz (onde a justiça foi satisfeita), tendo ali estabelecido a NOVA ALIANÇA, quando seu sangue – o sangue do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo – foi derramado em SACRIFÍCIO único, perfeito e eficaz. Portanto o uso de textos dos evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João) para defender a obrigatoriedade ou permanência do dízimo nos dias de hoje é totalmente contraditório, simplesmente porque tais textos relatam a vida de Jesus SOB A LEI, ainda não tendo estabelecido a NOVA ALIANÇA. Logo, se a Nova Aliança ainda não havia sido estabelecida, a Antiga Aliança da Lei ainda estava em vigor e o dízimo era devido aos levitas, sendo entregue no templo, como fora ordenado.

O fato de Jesus ter declarado que teria vindo não para abolir a Lei (mas para cumpri-la) e de que jamais cairia um til da Lei, tais afirmativas fazem todo sentido para quem continua vivendo debaixo da Lei (como os judeus, por exemplo), isto é, para quem não crê em Jesus como o Cordeiro de Deus, que foi oferecido de uma vez por todas como propiciação pelo pecado (Hebreus 10:14). Jesus é o fim da Lei para quem nEle crer, isto é, para quem recebe o indulto da Graça, que cancela a cédula de dívida que consistia em ordenanças e que nos acusava, isto é, a Lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *