Eu, o juiz!! Provébios 23:7a

Fico a pensar o que está por trás de certos questionamentos. Será o real objetivo levantar contendas? Ou será tentar achar outros insatisfeitos e criar um motim de insatisfações? Gerar rebeldia nos corações? Realmente não sei. Mas tudo isso me incomoda. Não apenas o fato de ver alguns questionamentos baseados nas próprias vontades, mas por ver que alguns questionamentos no fundo tem uma raiz de amargura, de algo não curado, um desejo ardente por vingança.

A Bíblia diz que o cristão não pode criticar?

Em alguns dos textos que produzo, vez ou outra, trago criticas àquilo que avalio não estar em conformidade com a Palavra de Deus, a sã doutrina.

Posso ou não julgar o meu irmão?

Existem algumas passagens bíblicas que, interpretadas de forma errônea, acabaram se tornando chavões ou bravatas que influenciam e balizam a conduta dos cristãos. Neste estudo vamos falar de uma delas: “Não julgueis, para que não sejais julgados.” Mateus 7:1

parábola do trigo e do joio

Texto que leva-nos a meditar na parábola e ao mesmo tempo fazer uma paralelo do relato da mesma com o tipo de conduta muito comum em nossos dias, onde pessoas pouco piedosas buscãom resultados imediatos nas vidas dos novos convertidos ou dos fracos na fé.

“Cristão não julga” – A Bíblia diz que o cristão não pode julgar?

Nos últimos dias participei nas redes sociais de alguns debates de temas polêmicos a respeito do meio cristão. Fiquei surpreso ao receber comentários de várias pessoas me censurando, dizendo que eu estava “julgando” e que o cristão não pode julgar. Para apoiar suas posições quase todas as pessoas usavam o texto dito por Jesus em Mt 7.1: “Não julgueis, para que não sejais julgados.”

É Correto: Julgar, Expor o Erro e Citar Nomes?

Muitos hoje acreditam que é errado expor o erro e citar nomes. Liberais sempre pareceram pensar assim; em tempos recentes [a partir das décadas de 1940 e 1950?] este pensamento anti-bíblico passou a ser amplamente abraçado por evangélicos [falamos em geral] e por pentecostais/ carismáticos. Agora [a partir das décadas de 1970, 1980?] estamos vendo esse mesmo erro fatal sendo proclamado e defendido por aqueles que dizem ser fundamentalistas crentes na Bíblia.